Início » Entrevista – Frescobol sem demagogia

Entrevista – Frescobol sem demagogia

Frescobol

Patrimônio imaterial da Cidade do Rio de Janeiro.

fale conosco

Instrutores perto de Você

A.F.R.O.

Coração Valente

Arena Pôr do Sol da Lagoa

Viciados por Frescobol

Garagem Búzios

Arena Araruama

Itacoatiara FrescobolArte

G-FIG

ACAFRE

Arena Santista

Arena Praia Grande-SP

ASFRET – ASSOCIAÇÃO DE FRESCOBOL DE TAMBAÚ

Equipe Olinda – PE

Arena Candeias PE

Equipe São Luís – MA

FamiliaFrescobol-Salvador-BA

FamiliaFrescobol – Brasília

Amigos Apaixonados pelo Frescobol – Salvador-BA

Vilas do Atlântico

Frescobol London

FRESCOBOL GREECE

Frescobol Portugal

Frescobol Itália

Estatísticas do Portal

  • 103.857 Visitantes

Segue abaixo uma entrevista realizada com campeões do circuito nacional/internacional de frescobol.

Competem, jogam por lazer, trabalham através do Esporte e ajudam a divulgar o Frescobol no Brasil e no Mundo.

Confira abaixo o fórum de entrevistas dedicado ao site da A.F.R.O. – Associação de Frescobol de Rio das Ostras!

grupoxx

 

1 – Quando começou a sua trajetória e o que o frescobol representa na sua vida?

NALDO:

NaldoLocal de Treino: Arena A.F.R.O. – Rio das Ostras-RJ

Iniciei no frescobol aos 17 anos (1978/79), na Ilha do Governador (Praia dos Bancários). Na ocasião, eu vendia picolé na praia quando vi os jogadores praticando um espetáculo. Foi isso que me chamou a atenção. Na minha vida o Frescobol virou paixão. O retorno é exatamente o prazer de jogar.

CACAU:

Comecei a mais ou menos 28 anos atrás. O esporte representa minha vida profissional. Dou aulas há 28 anos e fabrico raquetes de frescobol.

MARCUS VINICIUS:

Comecei há 10 anos atrás em 2006 através da minha ex namorada , hoje minha amiga Laysa , não conhecia o esporte, mas quando fui apresentando, foi paixão à primeira vista.
Hoje o frescobol representa , além de saúde e bem estar, me proporciona conhecer lugares que poderia não conhecer, disputando campeonatos em vários estados e até em outros países, mas a cima de tudo, a alegria e a amizade que adquiri nesses anos, e tenho certeza, que vou levar para vida toda.
O frescobol é uma família mesmo.

CAMILA:

Comecei a praticar o frescobol há 14 anos, nas areias de Ipanema no Rio de Janeiro. Nessa época eu não competia, apenas jogava por diversão com amigos em beira d’Água. Minha trajetória em competição começou em 2011, meu primeiro torneio foi em Macaé (interior do RJ) e desde então não parei mais.O frescobol representa tudo na minha vida e sempre pratiquei esportes desde criança, já fui federada em Natação e joguei vôlei a minha adolescência toda, mas quando conheci o Frescobol, me encontrei.

JEAN:

Comecei a jogar em 2008, jogador de verão, depois q fui a um campeonato em campo grande em 2010, voltei de lá vendo q precisava mudar o meu jeito de jogar, aí comecei a assistir muitos vídeos e tb começo a viajar para competições, aí hoje estou bem melhor nos fundamentos q o frescobol competição pede.

 

2 – O esporte nasceu no Brasil. Existem alguns grupos, projetos e associações de frescobol espalhadas em todo país. Porém, a maioria das pessoas ainda associa o frescobol a somente um lazer praiano, desconhecem que existem competições, etc. O que ainda falta acontecer para alavancar o esporte a um patamar superior e multiplicar o número de praticantes regulares?

 

NALDO:

No Brasil o Frescobol está em vários Estados com regras diferentes. A unificação da regra poderia ser o início do processo, porém o estilo e jeito de jogar em cada Estado é diferente,e  nesse ponto surge o maior empecilho. Cada um quer da sua forma. Isso trava o processo de legalização. Depois disso, outros eixos precisam ser feitos, como a divulgação do circuito Nacional com uma só regra.

CACAU:

Local de Treino: Praia do Flamengo -RJ

O esporte deve seguir na linha de trabalho social e depois abrir uma condição de argumentos e interesse dos meios da comunicação.

MARCUS VINICIUS:

Isso é uma pena mesmo, muita gente não reconhece o frescobol como esporte e ainda mais que existe campeonato, e como todo esporte precisa de uma regra única , hoje no Brasil existem mais de uma regra, e o 1° passo seria unificar as regras. Também a falta de mídia e patrocínio, a procura é muito pouca , assim as pessoas não ficam sabendo sobre o esporte. E claro criar a confederação no Brasil, mas já melhorou muito a organização , hoje temos um calendário de campeonatos no início do ano, ranking e acho que melhorou muito através da ABRAF.

CAMILA:

No Frescobol existem duas categorias:Frescobol diversão, que são aqueles que praticam por lazer, sem a necessidade de treinos, apenas se divertem jogando. Eu particularmente respeito muito essa categoria, afinal, eu comecei assim, e sempre que posso faço jogos por lazer, é maravilhoso!E temos o Frescobol Competição, onde os atletas treinam com o objetivo de melhores resultados, viajam para competir e levam a sério cada apresentação.As pessoas precisam saber diferenciar essas duas categorias, por mais que as duas sejam “Frescobol”, elas são diferentes, e não podem ser confundidas.O frescobol hoje é conhecido mundialmente e em cada estado, como Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo e outros possuem seu espaço propício para a pratica do esporte, com proteções de redes.As associações foram criadas para promover esses espaços, o esporte em si e os atletas de competição.Para que o esporte cresça e se multiplique, é imprescindível a criação de novos espaços para atrair crianças e adeptos para a prática promovendo torneios internos entre os associados, projetos sociais e atletas de competição, quanto mais divulgarmos o Frescobol, mais ele será respeitado e visto por todos.Atualmente eu sou Madrinha do Projeto Social “Coração Valente”, localizado em São Pedro D’Aldeia, criado pelo atleta e amigo Jefferson Leal, este projeto já atraiu mais de 20 alunos que nunca jogaram frescobol e hoje participam de competições no estado do Rio de Janeiro e alguns fora do estado. É fantástico assistir de perto o crescimento desses alunos.

JEAN:

Com relação as associações, o frescobol ao meu ver está ficando bem mais divulgado aqui no Brasil e no exterior. Tem muitos jogadores bons fora de competições, por conta da subjetividade,  cada um com uma opinião, os árbitros dos torneios fazendo isso, cada vez vai ficar pior com julgamentos não condizentes com as apresentações, mas acho que isso irá mudar um pouco com a chegada de um radar aliado a um programa que irá melhorar esses critérios, aí acho que muitos irão voltar a participar de torneios e aceitar a unificação de uma regra.

3 – Em competições não se ganha sozinho. É necessário a harmonia entre 2 jogadores durante a exibição. Qual o segredo para se estabelecer uma parceria de sucesso no frescobol?

NALDO:

Nada se consegue sem dedicação e treino. Porém, para uma dupla funcionar,é fundamental o respeito ao seu companheiro e a limitação de cada um para que a harmonia da dupla busque atender aos critérios da regra que estão jogando, extraindo o máximo para pontuar melhor.

CACAU:

Uma boa parceria precisa de respeito e muito treino.

MARCUS VINICIUS:

Local de Treino: Praia de Itacoatiara-Niterói-RJ

Hoje para dupla ter sucesso no frescobol é a harmonia , o entrosamento e claro a amizade , porque o frescobol sem amizade e o prazer de jogar com seu parceiro não irá para frente.

CAMILA:

No Frescobol não se tem adversários, e sim parceiros!Parceria na minha concepção é muito além de uma apresentação. O respeito e amizade sempre vem em primeiro lugar, e é muito importante saber ouvir e discutir juntos os erros para melhorar cada vez mais.Eu costumo conversar muito com os meus parceiros, montar uma estratégia de apresentação é fundamental para obter os resultados.

JEAN:

Parceria é uma combinação para mim, bom atleta + boa pessoa + humildade = bom jogo. Gosto de jogar com pessoas melhores do que eu para poder soltar todo o meu potencial, se o parceiro não tem o melhor jogo, tento tirar dele o melhor que ele tem, para mim isso eh uma parceria.

 

4 – Sobre o seu estilo e habilidade no frescobol, acha que vieram com um talento natural ou foram adquiridos através de muita prática?

 

NALDO:

O Frescobol jamais deve ser ensinado em base de nenhuma regra. Não se forma um bom jogador em regras e avaliação para competições. Um bom jogador deve aprender o Frescobol livre sem nada que posso engessar o seu crescimento. Deve aprender a jogar e usar o estilo natural de cada um. Alguns ajustes podem ser feitos, porém nada que provoque desestímulo ou desconforto. Simplesmente, jogue! Frescobol é livre e o resultado chega através da prática.

CACAU:

Muito treino e amadurecimento com o tempo.

MARCUS VINICIUS:

Claro que cada pessoa tem uma certa facilidade em algum esporte e outra em outro esporte. Acho que no frescobol não é diferente , você pode  jogar muito bem com insistência, dedicação e prática, mas isso é em qualquer esporte.
Eu logo quando peguei na raquete tive facilidade sim e todos comentavam com o meu crescimento rápido, acho que junta sim o dom e a prática , e fui evoluindo com muita prática, assistindo jogos em vídeos, conselhos dos mais antigos e tentando absorver as dicas o máximo possível.

CAMILA:

camila
Local de Treino: Praia de Copacabana-RJ

Eu sempre pratiquei o Frescobol desde os meus 24 anos, antes de me tornar uma atleta de competição nunca me preocupei com o meu estilo de jogo, jogava livre e por diversão, mas depois que eu comecei a competir que precisei melhorar muito os meus golpes, adquirir disciplina com os treinos e muita repetição nos movimentos.
Tive o privilégio de ter tido grandes parceiros e com eles pude aprender e evoluir o meu jogo, mas a dedicação, foco e determinação são fundamentais para atingir os resultados.

JEAN:

Minha principal característica eh a velocidade, sempre pratiquei muitos esportes, hoje só jogo frescobol, mas eh o único esporte de raquete, acho q tem talento, mas tb treinei muito para jogar da forma que jogo hoje.

5 – Que  mensagem você deixaria, para alguém que está iniciando, e aspirando se tornar um Atleta de alta performance no frescobol.

 

NALDO:

Chegue à praia, jogue com o máximo de jogadores que puder, com os mais variados estilos diferentes. Observe sempre que do outro lado não está o seu oponente, mas sim o seu parceiro!

CACAU:

Ser humilde,  treinar,  e não levar o esporte como uma brincadeira de praia.

MARCUS VINICIUS:

Deixo a dica para sempre treinar, se dedicar, força de vontade , e claro muita humildade , em muitos atletas que começam a jogar bem , acha que estão jogando muito e acabam regredindo.

Sempre ouvir os mais experientes e assistir vídeos. Assim, com certeza, será um grande atleta no frescobol.

CAMILA:

Nunca desista dos seus sonhos, por mais difíceis que possam ser!Estude, analise e repita por quantas vezes for necessário os movimentos para se tornar perfeito, os treinos são fundamentais para alcançar os resultados.Seja, acima de tudo, humilde! Um vencedor nunca diz que sabe tudo, há sempre algo a aprender!

JEAN:

Local de Treino: Recife-PE

O começo do frescobol eh difícil, mas para vc começar a jogar como competição (alto nível) em primeiro lugar respeitar o nível do seu parceiro, minimizar os seus erros e lembrar que se você dificultar para o seu parceiro, a dificuldade irá voltar para você.

Se você está começando, procure assistir vídeos na internet. Se tiver uma pegada muito diferente dos atletas bons que vê nos vídeos, tente mudar aos poucos para uma pegada padrão, isso é muito importante para um jogo de alto nível.

Abraços, Jean messias, atual campeão mundial de frescobol.