Início » Epicondilite – evite esforços repetitivos

Epicondilite – evite esforços repetitivos

Frescobol

Patrimônio imaterial da Cidade do Rio de Janeiro.

fale conosco

Instrutores perto de Você

A.F.R.O.

Coração Valente

Arena Pôr do Sol da Lagoa

Viciados por Frescobol

Garagem Búzios

Arena Araruama

Itacoatiara FrescobolArte

G-FIG

ACAFRE

Arena Santista

Arena Praia Grande-SP

ASFRET – ASSOCIAÇÃO DE FRESCOBOL DE TAMBAÚ

Equipe Olinda – PE

Arena Candeias PE

Equipe São Luís – MA

FamiliaFrescobol-Salvador-BA

FamiliaFrescobol – Brasília

Amigos Apaixonados pelo Frescobol – Salvador-BA

Vilas do Atlântico

Frescobol London

FRESCOBOL GREECE

Frescobol Portugal

Frescobol Itália

Estatísticas do Portal

  • 94.808 Visitantes

Já jogou tênis de quadra ou frescobol na praia e depois de alguns minutos dando raquetadas sentiu uma dor no antebraço? A Epicondilite Lateral, também conhecida por “Cotovelo de Tenista” exige bastante dos tendões do antebraço em movimentos repetitivos e com certo esforço e podem levar a uma inflamação. Embora seja muito comum para os praticantes de tênis, ela pode ocorrer em qualquer outro esporte ou atividade que se exija esforço repetitivo do antebraço, como o trabalho em máquinas e a digitação.

A Epicondilite é caracterizada pela inflamação do tendão na região do cotovelo e pode ser de duas formas, a Epicondilite Lateral é a mais comum, quando apresenta inflamação dos tendões extensores do antebraço (parte externa do braço) e a Epicondilite Medial, quando apresenta inflamação dos tendões flexores do antebraço (parte interna do braço).

18-5_epicondilite_luiz-3

Os sintomas aparecem aos poucos, podendo ser na parte interna, como na parte externa, junto ao epicôndilo, que é o nome dado ao osso que fica na região do cotovelo. Quando a inflamação se torna mais intensa, a mesma pode se espalhar para o antebraço. Então, certos movimentos como abrir uma porta ou uma garrafa pode ser muito doloroso, ou até impossível de realizar, neste caso o paciente começa a ter uma perda da sua força muscular.

Para diagnosticar, inicialmente o médico pode pedir um raio-x, ressonância magnética ou ultrassom para visualizar o nível da lesão. A eletroneuromiografia pode ser solicitada em casos mais graves para descartar uma lesão de nervo ulnar ou radial, que passam bem próximo do epicôndilo e que podem levar a um quadro álgico (dor) parecido. Na fisioterapia, a Epicondilite pode ser diagnosticada por palpação da região onde apresenta a dor e com testes especiais do cotovelo, por meio da manipulação.

O tratamento fisioterápico é indicado quando a dor começa a prejudicá-lo em suas atividades do dia a dia. São realizadas medidas anti-inflamatórias e analgésicas, seguida de alongamentos para os músculos extensores e flexores do antebraço e punho e também a cinesioterapia (atividades com finalidade terapêutica) para ganho de força muscular, após a dor ter diminuído consideravelmente.

18-5_epicondilite_luiz-1-editada

O tempo de tratamento varia conforme o nível da inflamação, de 1,5 mês até 3 ou 4 meses em casos crônicos. Assim que o paciente tiver alta pode retornar as atividades esportivas ou ao trabalho normalmente. A melhora da Epicondilite, seja Lateral ou Medial, é observada com a diminuição da dor e também a melhora do paciente em realizar os movimentos do dia a dia, em especial os que trabalhem a flexão e extensão do punho e os movimentos de rotação. Se você sofre com este problema, agenda uma consulta com nossos profissionais. Veja abaixo, algumas dicas que separamos.

cotovelo-de-tenista-fortalecimento

Previna-se:

Faça alongamentos;

Fortaleça a musculatura do antebraço e punho;

Realize pausas curtas, em seu trabalho ou atividade física, para não sobrecarregar os tendões extensores e flexores do antebraço.

Marque sua avaliação com nossos profissionais especializados na área estamos prontos para lhe atender.

Fonte:http://www.clinicafisioform.com.br/mais-blog/47